Negócios

Responsabilidade social: o que as grandes marcas estão fazendo sobre o coronavírus?

Por: Mutant, abril 13, 2020

A responsabilidade social é uma prática voluntária que pode trazer vários benefícios internos ou externos para as empresas. O conceito envolve a realização de ações em prol do bem-estar coletivo — por meio de incentivo à comunidade ou melhoria nas condições proporcionadas aos funcionários.

É uma postura de crescimento sustentável, que tem como pilar a geração de valor para a sociedade, especialmente em momentos delicados, como esses tempos de coronavírus. Você já parou pra pensar nas estratégias que as empresas estão colocando em prática pra gerir a crise ao redor do mundo?

As repercussões até o momento são bastante positivas. Pensando nisso, elaboramos este post sobre a importância do cuidado com a coletividade e, nas próximas linhas, vamos indicar bons exemplos pra você se inspirar. 

Quais ações de responsabilidade social estão em destaque?

Em uma era de consumidores cada vez mais difíceis de conquistar, a responsabilidade social da marca representa um fator essencial para que ganhe autoridade e relevância no mercado.

Hoje, empresas que não são autênticas e não defendem causas naturalmente enfrentam mais obstáculos pra se conectar com seus públicos.

É por esse motivo que, no cenário atual, em meio à epidemia do coronavírus, os empresários devem estar alertas sobre qual é o comportamento certo e o modo como isso vai refletir na sua competitividade.

Mesmo com tantas incertezas, lideranças de diversos segmentos estão agindo rápido e já comprometeram suas marcas com medidas em prol do bem-estar e da saúde da população. 

Vamos mostrar alguns casos agora. 

Exemplos de empresas específicas

Facebook

O posicionamento do Facebook no combate ao coronavírus foca a contenção de disseminação de informações falsas na plataforma e na internet de um modo geral. Por isso, a empresa concedeu acesso vitalício e gratuito do Facebook Ads para a Organização Mundial da Saúde (OMS).

A expectativa é que, a partir dessa ação, a OMS veicule vários anúncios com dados precisos e reais sobre a epidemia, favorecendo que essas informações atinjam o maior número de pessoas possível.

De acordo com o CEO da empresa, Mark Zuckerberg, a expansão do benefício para outros parceiros ainda está sendo considerada. O intuito é reduzir ao máximo o risco de infecção e promover campanhas eficientes contra a desinformação.

Além disso, outros ajustes também foram realizados na plataforma para que, por exemplo, quando o termo “coronavírus” for buscado, o primeiro resultado a aparecer seja a página oficial da OMS. E mais: o feed de notícias pode ser organizado de acordo com a relevância das notícias da região onde o usuário vive.

Boticário

A forma que o grupo Boticário encontrou pra contribuir com o bem-estar social foi a produção e envase de álcool gel e líquido 70%, bem como o fornecimento de sabonetes. Os alvos da campanha são governos, redes públicas de saúde nos Estados da Bahia e Paraná, e pessoas que se encontram em vulnerabilidade social.

A expectativa é que 216 toneladas de produtos, que também serão doados aos funcionários da companhia, que é formada pelas marcas:

  • O Boticário;
  • Eudora;
  • Vult;
  • Quem disse, Berenice?;
  • Beleza na web;
  • Beautybox.

O propósito da empresa é a valorização das pessoas. Por isso as doações fortalecem os valores que ela procura levar para o público. Outro compromisso assumido pelo grupo Boticário foi a doação de R$ 500.000,00 (quinhentos mil reais) para as Santas Casas e hospitais beneficentes do Paraná.

Airbnb

A política adotada pela plataforma de hospedagem como medida de auxílio ao combate do covid-19 foi a flexibilização das regras de cancelamento de reservas — tanto os anfitriões quanto os hóspedes com previsão de check-in entre 14 de março e 14 de abril de 2020 poderão pedir cancelamentos sem custos ou penalidades.

Tais concessões não englobam viagens domésticas na China continental, que retornará às regras tradicionais em 1º de abril. E a empresa também disponibilizou novas ferramentas de reservas maleáveis, para que os usuários ajustem suas negociações da melhor forma diante das incertezas do mercado. 

Burguer King

A iniciativa do Burguer King, diante das dificuldades ocasionadas pelo coronavírus, foi a destinação de parte da receita líquida de todos os sanduíches vendidos até o fim do mês de março para o Sistema Único de Saúde (SUS). Embora a companhia não tenha informado o percentual do repasse, a estimativa é que a doação seja próxima ao valor de 1 milhão de reais.

Stella Artois

A marca de cervejas Stella Artois criou a campanha “Apoie um Restaurante” cujo objetivo é a doação de dinheiro para estabelecimentos de alimentação. Para tanto, uma plataforma foi desenvolvida em parceria com a startup Chefsclub.

A dinâmica da ação é a seguinte: os consumidores compram um voucher de R$ 50,00 (cinquenta reais), e no futuro poderão trocar o valor de R$ 100,00 (cem reais) em produtos, ou seja, a cada voucher adquido pelos clientes a empresa doa R$ 50,00 para o estabelecimento.

Academias

O setor das academias também adotou medidas pra barrar a disseminação do coronavírus, sem deixar de lado a preocupação com os impactos causados na vida social.

Diante da determinação de “fechamento de portas”, muitos empresários usaram a criatividade pra manter a saúde física e mental do seu público. A rede Smart Fit, por exemplo, criou uma plataforma aberta de treinos para que qualquer pessoa possa manter uma rotina de atividades mesmo dentro de casa.

Nesse cenário, também é possível observar profissionais da área aproveitando a visibilidade em redes sociais, como o Instagram, para transmitir aulas ao vivo — com séries de exercícios feitos sem precisar sair de casa. Inclusive, vários artistas estão apoiando a iniciativa, estimulando o engajamento dos usuários. 

Artistas

A classe artística também se mostrou sensibilizada com o panorama da epidemia, sobretudo com o início das restrições de isolamento, e se preocupou em levar cultura pra distrair e encantar sua audiência de maneira construtiva. 

Nos últimos tempos, a internet ganhou um grande volume de conteúdos, como:

  • transmissões de shows remotos ao vivo;
  • gravações de histórias contadas pra crianças;
  • streaming de espetáculos e festivais;
  • vídeos autorais em diversas redes.

Como a população enxerga esses posicionamentos?

Ao consolidar seu compromisso com a sociedade, as empresas fortalecem o bom posicionamento de mercado. O sucesso com a nova geração de consumidores depende de um ponto de identificação, de alguma causa que une as pessoas e fortalece o espírito de engajamento.

Outro benefício da responsabilidade social em tempos críticos, como os atuais, é que a marca tem a chance de ampliar sua audiência. O fato de virar notícia, chamando a atenção de maneira positiva, amplia a visibilidade e ajuda na conquista de potenciais clientes.

Em resumo, o posicionamento gera bons frutos para as marcas, pois a população passa a enxergá-las com mais credibilidade, como instituições que têm o propósito de realmente gerar valor, e não somente ganhar dinheiro.

A responsabilidade social é uma estratégia positiva, que deve ser interpretada como um investimento. Os esforços que a empresa deposita em determinada ação serão revertidos em melhores resultados pra sua marca no futuro. Ao expressar convicções e agir em benefício da coletividade, as empresas são vistas como fontes de inspiração e autoridades em seus nichos. Tudo isso, consequentemente, pode levar à lucratividade saudável dos negócios.

Gostou do artigo? Viu que a maneira como uma empresa se comporta no mercado pode ser o diferencial de uma trajetória bem-sucedida? Agora que aprendeu com estes exemplos, compartilhe o post nas redes redes sociais e inspire mais pessoas!

    • Receba nosso conteúdo em primeira mão.